Não pense que escrevo aqui o meu mais íntimo segredo, pois há segredos que eu não conto nem a mim mesma. E não é só o último segredo que revelo: há muitos segredinhos primários que eu deixo que se mantenham em enigma... (Clarice Lispector)

"São pelos pequenos momentos ...Que a gente quase morre ...Que intensamente vive ...Que longamente espera..."

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Somos donos


Somos donos

de nossos atos

mas nao donos

de nossos sentimentos.

Somos culpados

pelo que fazemos

mas não somos culpados

pelo que sentimos.

Podemos prometer atos

mas não podemos prometer

sentimentos...

Atos são pássaros engaiolados

Sentimentos são pássaros em vôo.



Mario Quintana

terça-feira, 28 de abril de 2009

Blogagem Coletiva: O Filme da minha vida - O Som do Coração


Sempre gostei muito de assistir filmes e aqueles que têm história, romance e poesia são os meu favoritos. Já assisti muitos que poderia citar nesta Blogagem Coletiva: O filme de minha vida. Mas recentemente assisti um que é belíssimo: O som do coração.



Este filme conta a história de um menino, criado num orfanato que tem o dom da música e a usa para encontrar seus pais, é lindo muito comovente.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Ausência



Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces.
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada.
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da
noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

( VINÍCIUS DE MORAES )

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Quanto a mim, assumo minha solidão...


E eis que sinto que em breve nos separaremos.
Minha verdade espantada é que eu sempre estive só de ti e não sabia.
Agora eu sei : sou só .
Eu e minha liberdade que não sei usar .
Grande responsabilidade da solidão .
Quem não é perdido não conhece a liberdade e não a ama .
Quanto a mim , assumo a minha solidão,que ás vezes se extasia como diante de fogos de artifícios .
Sou só e tenho que viver uma certa glória íntima que na solidão pode se tornar dor ,e a dor , silêncio .
Guardo o seu nome em segredo .
Preciso de segredos para viver .

(Clarice Lispector)

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Regente da minha Alma



REGENTE DA MINHA ALMA!
Há dias tenho dançado com a saudade...
Saudade do sabor das palavras na minha alma.
Não faz sentido escrever no desatino...
Quando as palavras não se encaixam...
Quando os versos dançam loucos, como folhas ao vento...
E a inspiração torna-se onda num constante vai e vem...
Num enlace sutil quero sentir o corpo febril...
Ficar entrelaçada entre a fantasia e a realidade...
Alucinação... Delírio? Tudo pode se possível!
Quero ouvir no silêncio palavras que decifro.
Quero o gozo da minha alma... Minha calma!
O prazer do meu coração... O acalanto das emoções.
Quero ouvir a voz de Deus na minha alma.
Todos os dias como uma canção, regendo meu coração...
Dando-me divina inspiração... Plena satisfação!
Oh, poesia! Quero-te valsando neste peito meu...
No ritmo da vida com sons de avivamento.
Que dite o coração ás palavras que Deus permitir!


MARISOL

sexta-feira, 17 de abril de 2009


"Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita, e te digo, não temas, que eu te ajudo". {Isaías 41:13}.
Confiança, confiança total, mesmo naqueles momentos de muitas dificuldades, momentos de insegurança, em que sua vida tanto profissional, como afetiva estiver balançando de mal a pior, aquele momento em que tudo parece que da errado.
Confiar, acreditar, crer, ter a esperança, a fé que melhores momentos virão, que essa tempestade, essa fase difícil ira chegar ao fim e, que uma nova vida surgirá, e que você chegará à vitória.
Viva o momento, pois, seu passado, seus erros, os quais levaram você a chegar a esse ponto em que se encontra não ocorrerão mais, pois tenho certeza que aprendeu, tudo na vida depende de como você age, como vive, cada etapa da vida é um aprendizado.
É preciso mudar, fazer algumas correções em sua vida, parar, dar um tempo para analisar, criar uma nova meta para ser atingida, sempre segurando na mão de Deus, pois tudo o que ELE promete é cumprido, com isso, tudo ocorrerá a seu favor, porque é assim que funciona o universo espiritual de nosso querido e amado Deus Pai. Tudo no seu Tempo.

Tom Almeida, extraído do blog Raios de luz

terça-feira, 14 de abril de 2009

Colcha de Retalhos


Exceto o fato de sermos amigos
de sempre eu querer estar contigo
de muito nos divertirmos
de juntos chorarmos e sorrirmos...
Exceto nos fazermos companhia
durante tantas noites e tantos dias
de termos mil afinidades
e, quando afastados, sentirmos saudades...
Exceto buscarmos, um no outro, abrigo
quando as tempestades despencam
e nos transformam em fugitivos
que se unem e tudo enfrentam...
Exceto as reviravoltas que deram nossas vidas
e as milhões de feridas
que, um do outro, cicatrizamos...
Exceto não sabermos ao certo
de onde viemos e para onde vamos
e por isso não fazermos grandes planos...
Exceto não termos como adivinhar
quem parte primeiro
e deixa o outro a chorar
sem rumo, sem essa ausência aceitar...
Exceto essa imensa colcha de retalhos que criamos
eu apenas te amo.

Silvana Duboc

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Falar de amor


Se não estivesse fora de moda...

Eu iria falar de Amor.

Daquele amor sincero, olhos nos olhos,

frio no coração.

Aquela dorzinha gostosa,

de ter muito medo de perder tudo.

Daqueles momentos que só quem já amou um dia,

conhece bem.

Daquela vontade de repartir,

de conquistar todas as coisas...

Mas não para retê-las no egoísmo material da posse,

mas doá-las, no sentimento nobre de amar.

Se não estivesse fora de moda...

Eu iria falar de Sinceridade.

Sabe, aquele negócio antigo

de fidelidade, respeito mútuo...

e outras coisas mais.

Aquela sensação que embriaga mais que a bebida.

Que é ter, numa pessoa só, a soma de tudo que

as vezes procuramos em muitas.

A admiração pelas virtudes, aceitação dos defeitos...

E sobretudo, o respeito pela individualidade,

que até julgamos nos pertencerem,

sem o direito de possuir.

Se não estivesse tão fora de moda...

Eu iria falar em Amizade.

O apoio, o interesse, a solidariedade de uns

pelas coisas dos outros e vice-versa.

A união além dos sentimentos

e a dedicação de compreender para depois gostar.

Se não estivesse tão fora de moda...

Eu iria falar em Família.

Sim! Família!!!

Pai, mãe, irmãos, irmãs, filhos, lar...

O bem maior de ter uma comunidade unida

pelos laços sanguíneos e protegidas pelas

bênçãos divinas.

Um canto de paz no mundo, o aconchego da morada,

a fonte de descanso e a renovação das energias.

Família...

O ser humano cumprindo sua missão mais sublime

de sequenciar a obra do criador.

E depois...

Eu iria até, quem sabe, falar sobre algo como...

a Felicidade.

Mas é pena que a felicidade,

como tudo mais, há muito tempo já está

fora de moda.

Sabe de uma coisa...

Me sinto feliz por estar tão fora de moda.

E você?

Também está fora de moda como eu?

Espero que sim!!!

(Autor Desconhecido)

terça-feira, 7 de abril de 2009


Falar de amor é falar de você, de instantes que
ninguém compreenderia...
é sorrir, brincar, brigar e, logo depois, estar junto...

Falar de amor é lembrar de você... fala-se de amor
com o toque, a magia do olhar, as lágrimas de saudade
deslizando sobre o sorriso ao lembrar do riso seu...

Falar de amor é pensar em coisas simples...
é querer dividir, somando e ao somar, dividir...
é rir por qualquer coisa, partilhando o mesmo
sanduíche e a mesma coca-cola...

Falar de amor é querer sentir o seu beijo...
é sentir você e jamais saber quem é quem...
se você sou eu ou se eu sou você...

Falar de amor é compreender
que nem tudo é possível ou perfeito...
mas que podemos e devemos sonhar com o impossível
e sabermos que para o amor não existe essa história
de perfeição e imperfeição...

Falar de amor é falar de ser feliz...
é lutar por um ideal sabendo que, no começo,
meio e fim, há você...

Falar de amor é não falar...
é sentir cada momento como um ritual...

Falar de amor é esperar...
sem querer saber se as horas passam
devagar ou depressa...
é simplesmente esperar por quem
sabemos que nos espera...

Falar de amor é entregar... uma entrega total, livre,
sem medo de se perder no ser a quem se ama...
pois é nele que nos encontramos, a viver...

Falar de amor é conjugar o nós...
não existindo o eu ou o você.

Autor desconhecido

MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com